quinta-feira, 12 de agosto de 2010

“Novo” Ponto Eletrônico trará impactos ambientais

Por Catharina Castro

Portaria polêmica do MTE segue na contramão da era digital e afeta a sustentabilidade do planeta

Talvez ainda poucos saibam, mas, em agosto de 2009, o Mistério do Trabalho e Emprego (MTE) publicou a Portaria 1.510, que disciplina o uso do “ponto eletrônico” pelas empresas. A medida parte de um pressuposto equivocado de que existe problema generalizado na marcação de ponto das empresas. Com o intuito de coibir fraudes, o MTE, por meio da portaria 1.510, cria uma máquina específica para registro eletrônico, e determina que o registro somente possa ser feito nessa máquina.

Você deve estar pensando... e o quê este assunto tem a ver com responsabilidade social e sustentabilidade? Eu diria que tem tudo a ver, porque entre as mudanças geradas pela portaria está a obrigação de imprimir um ticket a cada “batida” de ponto. A impressão de comprovantes de papel ocasionará um consumo desnecessário de recursos naturais.

Calcula-se que se forem impressos dois tickets (com cerca de 5 cm/cada) por dia para 10 milhões de trabalhadores, teremos aproximadamente 6 bilhões de tickets impressos desnecessariamente todos os anos. Alguns números falam que isto corresponde a 400 mil árvores.

Enquanto a Justiça brasileira se esforça para dar agilidade aos seus processos e eliminar papéis, o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) cria uma portaria que aumenta a burocracia e prejudica o meio ambiente.

Além da impressão dos tickets, a medida ainda prevê aumento de custos para as empresas para aquisição de milhões de equipamentos de novos equipamentos. Isto significa que os milhares de equipamentos “antigos” serão descartados, provocando um impacto ambiental ainda não dimensionado.

E estes são apenas alguns entre tantos impactos indesejáveis que serão gerados pela Portaria MTE 1.510/2009.

Se você achou um absurdo esta medida um absurdo e quer manifestar sua opinião, participe da campanha “Passou do Ponto – Todos contra o 'Novo' Ponto Eletrônico”.

Visite o hotsite da campanha (http://www.passoudoponto.com.br/) e fique por dentro das principais notícias e decisões relacionadas às novas regras Ponto Eletrônico (Portaria MTE 1.510/ 2009) e saiba porque todos estão contra esta medida que passou do ponto, sendo um retrocesso para empresas, trabalhadores e para o meio ambiente.

2 comentários:

Emerson disse...

Saudações,

Opa, tive uma visão de um mundo perfeito, um dos argumentos para emissão do tal comprovante é fornecer ao colaborador (funcionário) uma maneira de conferir e provar que efetuou suas marcações, ou até em casso de litígio fez horas extras. Estamos perto da mudança dos nos Atuais RG´s pelos RIC (Registro de Identidade Civil), poderiam ter feito um relogio de ponto que armazenasse no RIC as marcações já que é possivel gravar dados neste novo RG tal qual os nossos Bilhetes Unico (SP); e prover forma do colaborador baixar suas marcações para algum tipo de aplicação na própria internet disponibilizada pelos .Gov.Br da web; e consulta-las desta forma não existe emissão de papel; fica muito mais fácil controlar.

Como eu disse este seria o mundo perfeito (IDEAL)

Catharina Castro disse...

Olá Emerson,

infelizmente o nosso Ministro do Trabalho não parece estar nem um pouco interessado no mundo ideal, ou melhor, no mundo atual já que a medida pode ser vista como um retrocesso.

Todos contra o 'Novo' Ponto Eletrônico! Trabalhadores, Empresas e o Meio Ambiente agradecem!

Obrigada pelo comentário!
Abraços!